domingo, 31 de maio de 2009

quinta-feira, 28 de maio de 2009

234-Arshak Petrosian, o melhor treinador do mundo

El Mejor entrenador del mundo.

Por MI Raúl Ocampo Vargas.

En una conferencia que di hace meses en la ciudad de Comitán, Chiapas ante algunos aspirantes a instructores de ajedrez, externé, casi sin ninguna duda, que el mejor entrenador del mundo era el GM Arshak B. Petrosian.
A diferencia de la afirmación que hice en este espacio, recientemente, de que la mejor revista de ajedrez del mundo era la “64” de Rusia, mi opinión sobre Arshak Bagratovich si ha provocado algunas dudas, o más bien diría, preguntas al respecto.
Varios entrenadores podrían considerarse muy publicitados por los medios de comunicación especializados en ajedrez. Ahí están el MI Mark Dvoretsky, el recordado Maestro Alexander Koblentz, aunque por ser ya fallecido, como Vladimir Zak , el GM Aivar Gipslis y el GM Botvinnik, podríamos disculparlo de estar en tal competencia, el GM Adrián Mikhailchisin, el GM Yuri Razuvaev, el GM Alexander Chernin, el GM Lev Alburt; y con poco menos publicidad, el GM Iosif Dorfman y el GM Semion Palatnik. Otros, muy buenos, pero no tan favorecidos por la prensa y los dudosos honores de los dirigentes, que valoran mas el compadrazgo y amiguismo, que la verdadera labor, como el MI Zeljandinov, el MI Steshko, el MI Shereshevsky, el GM Ziatdinov, la GM Ludmila Belavenetz, el GM Alexei Kuzminy, el GM Genaidy Nesis, el MI Raimundo Garcia, el MI Kristof Pytel, y sobre todo el MF Sunil Weeramantry y el Maestro Bruce Pandolfini, también eran dignos de ser considerados.
Pero a través de uno de los oyentes a la plática de Comitán, llegó la afirmación a algunos alumnos vía email, y uno en especial, me pidió argumentar en que me basaba para tan enfáticamente afirmar que el GM Arshak Bagratovich Petrosian era el mejor entrenador del mundo.
Primeramente hablaba de entrenadores a nivel de alta competencia, no tanto como formadores de jugadores. El GM Arshak B. Petrosian, que como competidor logró medalla de bronce en una olimpíada y fue uno de los primeros grandes maestros de Armenia, (hay que especificar que el GM Tigran Vartanovich Petrosian, si bien era étnicamente armenio, nació en Georgia y paso la mayor parte de su vida en Moscú, ha sido siempre considerado como el hijo selecto del ajedrez armenio y su monumento en Armenia es sencillamente impresionante, pero de hecho su vida y su muerte fueron moscovitas), además de que al desempeñarse como parlamentario en el gobierno de su república, apoyó en mucho el desarrollo del ajedrez en su patria chica, y es considerado principal motor del ajedrez armenio. Desde hace más de tres décadas, junto con Tigran Vartanovich Petrosian, el GM Rafik Vaganian y el MI Karen Grigorian, eran la imagen del ajedrez de Armenia en el siglo XX por todo el mundo.
De hecho Arshak vino a México por primera vez hace más de 30 años, como uno de los diputados más jóvenes de la URSS, y en Ciudad de México formó parte de un equipo de la Embajada de la URSS que jugó un match amistoso en el Club Academia de Enrique Basaguren, con un equipo mexicano, en que incidentalmente jugaba yo el primer tablero y tuve que enfrentar al entonces Maestro Nacional Arshak Petrosian. Ambos no habíamos cumplido 20 años y, si bien, Arshak Bagratovich, nacido el 16 de diciembre de 1953, es unos meses menor que yo, a mi me tocó el honor de hacerla de guía de turistas y traductor del ilustre visitante, lo que fue una experiencia memorable.
Con el tiempo, Arshak enfiló su trabajo hacia el entrenamiento de grandes jugadores como el GM Oleg Romanishin, Rafael Vaganian y Vladimir Akopian.
Actualmente trabaja con su yerno, el GM Peter Leko, que está casado con su hija Sofía y así visito Morelia, en México. Con Leko realizó una labor notable el GM Amador Rodríguez, la estrella del oriente cubano que ahora reside en España. Arshak Petrosian, fue el capitán del equipo armenio que por segunda vez consecutiva gana la Olimpíada Mundial de Ajedrez, al vencer en Dresden 2008.
Pero la metodología y la energía para lograr la armonía en la selección armenia lo hace destacar especialmente como el mejor del mundo. Arshak trabaja mucho con la llamada Psicología Positiva, muy de acuerdo al más moderno concepto de “Coaching “ y “Mentoring” que tan de moda está en el medio empresarial norteamericano, promovido, curiosamente, por psicólogos de origen armenio.
Político y negociador hábil, el GM Arshak sabe como influir en las personas y lo hace especialmente bien con sus pupilos. El equipo de Armenia es un “Band of Brothers” como los del día de San Crispin en una celebre obra de Shakespeare sobre el gran triunfo en Azincourt del Rey inglés Enrique sobre los franceses en la Guerra de los Cien Años.
Los rusos comentaban que el equipo de Rusia envidiaba la fraternidad de los armenios, mientras ellos vivían un grupo de circunstancias y desaveniencias.
Heredero de la tradición de la Casa del Ajedrez de Ereván, Arshak trabaja mucho en el equilibrio de la preparación táctica, la estratégica en el medio juego y la técnica de finales, relegando un poco el estudio de las aperturas.
Su artículo sobre el reciente triunfo en Dresden es muy ilustrativo sobre los puntos básicos de su concepto de entrenamiento. Las computadoras son empleadas para ejercitarse en la resolución de posiciones y sólo tangencialmente son usadas para estudiar al contrincante y su repertorio de aperturas. Las computadoras son “sparrings” para entrenar, no para jugar contra ellas. Más que en trabajar sobre los adversarios, trabaja en que sus pupilos se conozcan bien y sean objetivos en sus deficiencias y fortalezas. Cree más en la superación constante, el “kaizen”, que en sofisticadas novedades en las aperturas. Se trasluce mucho de la Inteligencia Emocional. Los armenios son parecidos a los latinos, como buenos meridionales, y son expansivos y emocionales más allá de lo que es común entre los europeos. Muy lejos de los rusos y mucho más de los alemanes y nórdicos. La armenia es una cultura antigua y tradicional, las costumbres son muy parecidas a las de los árabes, siendo incluso su comida apenas diferenciable de la de ellos. Muy trabajadores y tenaces, son personas resistentes y que jamás se dejan vencer. No en balde sus asentamientos tienen más de 50 siglos de historia. Como afirmaba el hijo del excampeón mundial Petrosian, Vartan Tigranovich Petrosian, el ajedrez armenio bajo del Monte Ararat al posarse en lo alto el arca de Noé.
¿Cuáles son las diferencias entre Arshak Petrosian y Dvoretsky? Si bien la principal aportación de Dvoretsky será la enorme cantidad y calidad de sus obras escritas, su excesiva orientación a lo académico lo ha distanciado del manejo directo de discípulos últimamente, y su forma de trabajar es más efectiva con individuos, más que con grupos. No se puede decir que sea un líder, si no más bien gusta de trabajar en solitario y no tiene la faceta de motivador que posee Arshak. En el Interzonal de Toluca de 1982, lo observaba y escuchaba trabajar con sus entrenados y lo notaba especialmente frío, calculador y muy poco emotivo. Me llamaba la atención la manera en que a veces parecía desesperarse el GM Yusupov al conversar con él. Eran como complementarios, pues eran diferentes pero hacían buena mancuerna. El entonces MI Igor Ivanov, muy amigo mío desde que andamos en Palma Soriano, Cuba, dos años antes, en que jugó su último evento antes de dejar la URSS y el mundo socialista para “exilarse y asilarse” en Canadá, me hacía el clásico gesto de bostezo mientras miraba a Dvoretsky. Ivanov decía que la psicología y la motivación la dejaba Dvoretsky como tarea al otro entrenador soviético presente en Toluca, el GM Krogius, que era una piedra. “Ve lo que hizo a Spassky en 72, y ve como lo trae aquí en Toluca, ayer vomitó Boris Vasilievich”. Esto lo decía mientras hojeaba un libro del Premio Nobel, Alexander Isaevich Solshenitsyn, desgastado en la primera mitad, pues no queda claro que Igor pasase a la segunda mitad en su lectura. El caso es que Ivanov hacía una dura crítica de Dvoretsky comparándolo con el primer Ministro Disraeli, en lo que se refiere a sus cálculos victorianos.
Dvoretsky como escritor técnico se supera continuamente y recientemente han aparecido libros sobre la práctica del análisis muy notables. Pero si lo comparamos con Arshak, la palabra que surge es “Liderazgo”. Los pupilos de Petrosian logran grandes hazañas porque están convencidos de que Arshak está seguro de que son capaces y ellos confían plenamente en el sano juicio de Arshak. Los hace trabajar duro, como capataz de Nimrod construyendo la torre de Babel, con la perseverancia fanática de que llegarán a las nubes.
Su amplia preparación y cultura general, supera en mucho a la de otros entrenadores de ajedrez y da apariencia de enciclopedia abierta, tanto en ajedrez como fuera del ajedrez. Es mandón y severo, logrando un alto nivel de disciplina, lo que es especialmente notable con grandes maestros de élite expansivos como el otro GM Tigran Petrosian y el GM Aronian. Supongo que es fácil tratar con un tipo tranquilo como el GM Peter Leko, máxime en su calidad de suegro, pero hacerlo con el sexteto armenio, tan inquieto y tan temperamental, no es cosa fácil, excepto para quien tenga gran ascendiente moral con ellos. El punto entonces es que el GM Arshak Bagratovich Petrosian supera a los otros reconocidos entrenadores en PNL, en su inteligencia emocional, en su Psicología Positiva, lo que en ajedrez es el 50% del éxito.
Ojalá se de alguna vez el tiempo de escribir sobre ese tema algún día, y espero lo haga en ruso al menos, pues el armenio le parecerá chino a la mayoría de los entrenadores que tienen mucho que aprender de él.
IM Raul Ocampo Vargas, desde México, 16 de Marzo del 2009
====================================================================
fonte: http://www.inforchess.com/

quarta-feira, 27 de maio de 2009

233- Novo lançamento da LCM: a cartilha de xadrez do Alfredo Santos!!


Primeira edição, 2009

Autor: Alfredo Pereira dos Santos
Número de páginas: 208
Preço: R$ 49,00

O Xadrez é um esporte praticado em todos países desenvolvidos do mundo, não apenas como lazer ou como um jogo. É uma "musculação" para o cérebro, para a inteligência e para o desenvolvimento do raciocínio.
No livro você encontrará os conhecimentos necessários para a aprendizagem do Xadrez, em linguagem simples e atual. Todos os exemplos da Cartilha de Xadrez são ilustrados com diagramas de cada uma das jogadas, facilitando a compreensão e tornando os exercícios mais dinâmicos.
Para os organizadores tem tabelas de jogos para competições com diversos participantes, modelos de fichas para organização de torneios, regras para cálculo da avaliação da força do jogador e modelo de ficha para registro de lances.

Sumário: CAPÍTULO I Noções preliminares – 1; CAPÍTULO II O movimento das peças – 7; CAPÍTULO III Xeque e Xeque-Mate – 19; CAPÍTULO IV Capturas – 27; CAPÍTULO V Movimentos especiais do Xadrez – 35; CAPÍTULO VI Mobilidade das peças – 51; CAPÍTULO VII Outros tipos de Xeque – 55; CAPÍTULO VIII Exemplos de Xeque-mate – 67; CAPÍTULO IX Partidas empatadas – 75; CAPÍTULO X Como anotar partidas de xadrez – 83; CAPÍTULO XI; Seqüências ganhadoras – 103; CAPÍTULO XII Situação incômoda – 109; CAPÍTULO XIII; Alguns Mates elementares – 115; CAPÍTULO XIV Finais de Peões – 123; CAPÍTULO XV Como organizar um torneio de xadrez – 135; CAPÍTULO XVI Principais regras do xadrez – 145; CAPÍTULO XVII Primeiras noções de estratégia – 159; CAPÍTULO XVIII Qual é a sua força de jogo? – 165; APÊNDICE Partidas ilustrativas – 187.

Mais informações no sítio http://www.lcm.com.br/

terça-feira, 26 de maio de 2009

232- O menino e o Flamengo

O Menino e o Flamengo : A verdade

FILHO: - Pai, por que o senhor sempre fala que eu tenho que ser Flamenguista?
PAI: - Porque o Flamengo é o melhor time e também aquele que tem a maior torcida do mundo, meu filho!
FILHO: - Isso é legal né pai! Mas acho que não entendi bem...A Índia e a China são os países mais populosos do planeta, cada um com mais de 1 bilhão de habitantes, eles também jogam futebol e ninguém por lá sabe o que é o Flamengo. Será que somos mesmo a maior torcida do mundo?
PAI: - Esses caras não entendem de futebol, por isso não torcem pelo Flamengo...
FILHO: - Tá, mas outros países que entendem de futebol, como a Argentina, Uruguai, Espanha e Itália têm clubes com muito mais títulos internacionais (Libertadores e Mundiais) do que o Flamengo. Será que somos mesmo os melhores do mundo?
PAI: - E daí! O futebol brasileiro é o que importa, meu filho! Porque nossa seleção é a única pentacampeã mundial!
FILHO: - Bom, nesse caso imagino então que o Flamengo seja o time que mais forneceu jogadores pras seleções brasileiras em Copas do Mundo, né!
PAI: - Na verdade, o time que mais cedeu jogadores pras seleções brasileiras em Copas do Mundo é o Botafogo, seguido do São Paulo, depois do Vasco e o Corinthians ..... ah, deixa pra lá, garoto! O que importa não é a quantidade, mas a qualidade do jogadores cedidos! Nós tivemos craques do nível do Zico, Júnior e Leandro vestindo a camisa canarinho!
FILHO: - Legal! E quantas Copas eles ganharam?
PAI: - Esses jogadores?.... Nenhuma.... Mas e daí! o teu professor não ensinou que "o importante é competir"?
FILHO: - Sim, mas eu só estava tentando entender.... melhor esquecer esse negócio megalomaníaco de melhor do mundo e me diz aí: quando foi nosso último título brasileiro?
PAI: - Foi em 1992, com um timaço!
FILHO: - Pô!, mas faz tanto tempo assim? Já Tenho 13 anos, e já faz mais de 15 que o Flamengo ganhou o último título brasileiro?
PAI: - É meu filho, mas somos do time mais vezes campeão brasileiro!! Cinco!!
FILHO: - Mas para a CBF, que é o Órgão Oficial de Futebol no Brasil, o campeão brasileiro de 1987 foi o Sport Recife e não o Flamengo, não é verdade?
PAI: - Sim, pentelho, mas nós, da torcida rubro-negra, consideramos que é o Flamengo!
FILHO: - Mas quem representou o Brasil na Libertadores de 1988 foi o Sport...
PAI: - Melhor voltarmos ao assunto dos títulos brasileiros.
FILHO: - Bom então somos iguais ao Vasco, ao Corinthians e Palmeiras que também são quatro vezes campeões brasileiros! E o único penta é mesmo só o São Paulo?
PAI: - Mais ou menos, porra!
FILHO: - Calma pai, o senhor está bravo só porque o Flamengo não é bem isso que o senhor pensava?
PAI: - Pára com isso filho! Nós já fomos campeões mundiais!!!
FILHO: - Sério Pai!? Quando?
PAI: - Em 1981, no Japão.
FILHO: - Já existia televisão nessa época, pro senhor ver o jogo?
PAI: - Claro, porra!
FILHO: - Que legal, então nós também ganhamos a Libertadores em 81?
PAI: - Sim, filhão!!!!
FILHO: - É verdade que ganhamos a Libertadores sem enfrentar nenhum time argentino nem uruguaio?
PAI: - Sim, e daí?
FILHO: - E daí que esses são países de tradição no futebol sul-americano. Sem enfrentar argentinos ou uruguaios a competição ficou muito mais fácil de ser ganha...
PAI: - Tá, mas ganhamos do Cerro Portenho, Deportivo Cali, Jorge Wilstermann e Cobreloa.
FILHO: - Caramba! algum desses times já foi campeão da Libertadores, Sul Americana, Mercosul, Recopa, Supercopa, Conmebol ou alguma coisa de expressão internacional?
PAI: - Não filho.... quer dizer, sei lá! mas que merda!!!!
FILHO: - É verdade que os únicos times conhecidos contra os quais Flamengo jogou naquela Libertadores - Atlético Mineiro e o Olímpia do Paraguai-não conseguimos vencer nenhuma vezinha sequer?
PAI: - É.. foram empates...
FILHO: - E também é verdade que passamos da primeira fase após aquela confusão na qual o Atlético Mineiro teve metade do time expulso pelo juiz supostamente comprado... e o jogo terminou com a vitória magra do Flamengo por falta de jogador adversário e não teve jogo extra como mandava a regra?
PAI: - Azar do Atlético....
FILHO - Pai, também é verdade que se o crítério de gols feito fora de casa (que vale o dobro na Libertadores) fosse mantido também na final que fizemos com o Cobreloa, não teríamos sido os campeões, porque eles meteram um gol no Maracanã e nós passamos em branco lá no Chile?
PAI: - É mas, pra nossa sorte, só na final esse critério muda...
FILHO: - Sei não pai, chegamos aos trancos e barrancos na final e também não pegamos nenhum time Argentino ou uruguaio pelo caminho, assim ficou fácil demais!
PAI: - Porra, moleque. Tá de sacanagem com a minha cara?
FILHO: - Não, só estou querendo saber.. Se o fato de não termos enfrentado nenhum time de expressão não fez nenhuma diferença, como fomos, então, nas outras NOVE vezes em que participamos na Libertadores?
PAI: - Bom, nós fomos eliminados nas primeiras fases em todas as vezes, quase sempre por times argentinos ou uruguaios... Mas isso não importa! O que importa é o título!
FILHO: - Eu achava que o senhor pensava que o importante era competir....
PAI: - Que nada! Isso é baboseira de Vascaíno que só sabe ser vice!
FILHO: - Mas pai, eu li num livro que o Flamengo é o time do Rio que mais tem vice-campeonatos em sua história, são 33 vices contra 27 do Vasco! Está no livro 'Os 10 Mais', de André Alzer e Mariana Claudino, Editora Agir.
PAI: - Já falei pra você parar de ler livros! Isso não combina com ser flamenguista!
FILHO - O que é isso pai! Eu só acho errado ficar menosprezando vice campeonatos, até porque às vezes acho tudo meio injusto. Veja agora, o Fluminense jogou 4 vezes com a LDU nessa Libertadores, ganhou duas, empatou uma e perdeu somente uma vez... O senhor achou justo a LDU ter sido campeão? E se critério de gols fora de casa não mudasse na final o título seria do Fluminense...
PAI: - Eu não quero saber do Fluminense!
FILHO: - É mas eu vi o senhor sacaneando um tricolor por causa da LDU....Mas pra mim, nessa Libertadores, a vergonha do Flamengo foi muito maior, afinal perdemos em casa diante da nossa torcida pra um timeco mexicano, tomando gols de uma cara que tem a barriga maior do que a sua... O Fluminense ao menos ganhou todas em casa, ficou em primeiro lugar na fase classificatória (apesar de estar no grupo da morte), despachou times de tradição na competição (Boca, São Paulo, Arsenal, Libertad) e ainda trouxe a grande final pro Maracanã (coisa que ninguém tinha conseguido fazer na história do nosso maior estádio).
PAI; - Já falei que não quero saber do Fluminense!!!!!!!!
FILHO: - Calma paizinho. Vamos passear então, me leva ao estádio do Flamengo.
PAI (chorando): - Não temos estádio porra! Temos uma sede num terreno alugado pela prefeitura do Rio com um campo de treinamento e uma piscina muito mal conservada.
FILHO (puto da vida): - Chega pai! Assim não dá. Não temos estádio, não temos a maior torcida nem o melhor time, nosso título mais comemorado é um mundial há quase 30 anos, que conseguimos graças à falta de argentinos e uruguaios e não somos campeões brasileiros faz quase 20 anos...
PAI( um minuto de silêncio): - É.. mas no ano que vem nós passaremos o Fluminense e nos tornaremos o time com mais títulos cariocas!!
FILHO: - Mas pai, isso só é possível porque nos consideramos duas vezes campeões em um mesmo ano (1979)! E ultimamente dizem que andamos comprando juízes e ganhando dos adversários de forma vergonhosa - como foi contra o Botafogo em 2007 e 2008. Mas apesar de tudo isso, se ganharmos no ano que vem nos tornaremos finalmente os maiores campeões cariocas, isso em mais de 100 anos que estamos disputando essa competição, não é verdade?
PAI: - Seu filho da puta!! filho dum corno!!! Tá de SACANAGEM

domingo, 24 de maio de 2009

231- Filho de peixe, peixinho é!!


Na postagem nº 226, domingo passado, fiz menção ao meu amigo Borges. Pois é, ontem apresentei a ALEX (Associação Leopoldinense de Xadrez) ao Gabriel, filho do Borges, que está entusiasmado com o xadrez e quer jogar torneios! muito legal!
Foto acima registrada pelo Prof. Fernando Madeu.

Boa semana a todos!

quarta-feira, 20 de maio de 2009

230- Momento Maiakowsky de Música: Paulinho e Hamilton!!

video

Eu deixo passar comentários..........
Mas não deixaria passar a oportunidade de postar o You Tube acima com Paulinho Moska e Hamilton de Holanda!!

Apreciem sem moderação!

terça-feira, 19 de maio de 2009

229- Reativação dos Zonais. Estaremos nessa ou não?

Comunicado CBX nº 24/2009 - Reativação dos Zonais CBX


Vitória/ES, 16 de Maio de 2009.

Comunicamos às federações estaduais que a CBX está reativando os torneios zonais (ZONAL CBX - UF), os quais poderão ser realizados em etapa única, em cada UF, permitindo-se a participação de jogadores com rating FIDE inferior a 2200. Poderá valer rating CBX apenas, sendo a validade para rating FIDE opcional ao organizador. Só poderão participar jogadores do próprio Estado, sendo que o campeão de cada Zonal terá vaga na Semifinal do Brasileiro Absoluto. A realização do Zonal CBX em cada Estado é um direito preferencial de cada Federação, podendo esta autorizar que organizadores avulsos, com cadastro na CBX, o façam. A data limite para finalização dos Zonais é 18/10/2009.

Pablyto Robert
Presidente da CBX


Grande iniciativa da CBX. Parabéns!!

quinta-feira, 14 de maio de 2009

224- CONTINENTAL DAS AMÉRICAS


223- REGIONAL SUDESTE DE XADREZ ESCOLAR

Promoção: CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE XADREZ

Realização: ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA BANCO DO BRASIL - RIO DE JANEIRO

Objetivo: O objetivo desta competição é apontar a escola campeã de xadrez escolar e enxadristas campeões nas suas categorias da Região Sudeste (Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo). Promover o intercâmbio e confraternização entre estudantes e instituições de ensino na Região Sudeste.

Participantes: Estudantes matriculados na Educação Infantil, Ensino Fundamental ou Ensino Médio das redes pública e particular da região sudeste.

Datas: 6 e 7 de junho de 2009 (sábado e domingo).

Programação: Dia 6 – Abertura e Congresso Técnico 11:00h; 1ª rod. às 13:00h; 2ª rod. às 15:30h; 3ª rod. às 18:00h; Dia 7 – 4ª rod. às 09:00h; 5ª rod. às 11:30h; Encerramento às 13:30h

Local: AABB-Rio – Av. Borges de Medeiros, 829 – Leblon – Rio de Janeiro – RJ.

Informações: http://sudestedexadrezescolar.blogspot.com/
sudestedexadrezescolar@gmail.com
(21) 8627-0778 Pedro Queiroz
(21) 8603-5958 Carlos Amorim

terça-feira, 12 de maio de 2009

222- ENTÃO ME DIZ QUAL É A GRAÇA

Eu grito por liberdade
Você deixa a porta se fechar
Eu quero saber a verdade
E você se preocupa em não se machucar
Eu corro todos os riscos
Você diz que não tem mais vontade
Eu me ofereço inteiro
E você se satisfaz com metade
É a meta de uma seta no alvo
Mas o alvo, na certa, não te espera
Então me diz qual é a graça
De já saber o fim da estrada
Quando se parte rumo ao nada? video


EU SEI, JÁ COLOQUEI AS PALAVRAS ACIMA EM ALGUM "MOMENTO MAIAKOWSKY DE MÚSICA".
MAS A POSTAGEM DE TRECHOS DA LETRA DA CANÇÃO E DO VÍDEO REPRESENTAM A MENSAGEM DA ALEX (ASSOCIAÇÃO LEOPOLDINENSE DE XADREZ), LIDERANÇA LEGÍTIMA E AUTÊNTICA DA OPOSIÇÃO, AOS DEMAIS CLUBES DO AMADO XADREZ DO ESTADO DO RJ.

sábado, 9 de maio de 2009

221- Recordar é Viver!


Mexendo em coisas antigas, me deparei com um recorte de jornal (cliquem na imagem acima). É Maiakowsky, novinho, recebendo o troféu de 1º Campeão de Xadrez do Intercolegial. A final foi uma melhor de três partidas com Wilmar Padrão. Perdi a primeira no sábado e ganhei duas no domingo! Recebi o lindo troféu (até hoje não oxidou) das mãos de Reynaldo Veloso e Sylvio Rezende, hoje diretores de xadrez do Tijuca Tênis Clube e Clube Municipal, respectivamente.
O tempo passa.......!

Boa semana a todos!

sexta-feira, 8 de maio de 2009

220- Imperador confessa a inépcia! e ameaça os clubes!


O Imperador do xadrez do Rio confessou sua inépcia na AGE de 08/05/09. O esquecimento no cumprimento de obrigações administrativas que assegurariam segurança jurídica e eficácia dos atos da entidade foi tratada como a coisa mais natural do mundo.
Foi um teatro só, um belo monólogo, com todos os truques e ardis dos discursos políticos: 75% de gestos e berros, 20% de alegações emocionais piegas e 5% de conteúdo!
Inicialmente a constatação de que nas assembléias da entidade as normas não valem nada! Com fulcro no estatuto e no RGCO era claro como água que três clubes não teriam direito a voto (explicitarei isso aqui em outra postagem). Mas, contra a eficácia da norma, prevalece o soquinho na mesa, o autoritarismo déspota.
De saldo uma triste realidade: a entidade que no discurso defende a causa do xadrez, na prática demonstra desprezo e desconsideração pelos clubes associados. Senão vejamos: esmagou uma deliberação da assembléia extraordinária de 2007 que acordou que o texto final da ata de reforma estatutária (adequação ao novo Código Civil) seria submetida e aprovada pelos clubes (na época o vice-administrativo gabou-se de que em três dias submeteria por mail a minuta de ata a ser aprovada pelos clubes. Alguém recebeu? nem eu!) A ata foi registrada agora em 2009 sem a minuta final aprovada pelos clubes!! E ontem, em plena assembléia, o imperador enfatizou que a entidade será fiscalizadora implacável da situação regular dos clubes(!!!). Para bom entendedor meia ameaça basta: cuidado, CXM!!
Enquanto isso o xadrez vai mal no Estado do RJ! anunciam-se recordes mas uma simples análise dos dados demonstra que é falácia marqueteira!
Lamentável observar certos argumentos de defesa pró-imperador partindo de dirigentes da Velha-Guarda e outros nem tanto das antigas. Por um interesse ou outro jogam para a patuléia a idéia de que certas discussões são "políticas" ou "de ego". Quero ver se com o próprio bolso e patrimônio admitem trapalhadas jurídicas e administrativas de outrem!
Os clubes do Rio necessitam de uma entidade oficial fomentadora, incentivadora, não ameaçadora!! Chega de usufrutos sem contrapartida!
Estou plenamente convencido de que há motivos e fatos suficientes para se declarar, em assembléia, o impedimento do imperador por inépcia administrativa. Chega de deboches e risinhos para com os clubes nas assembléias.
Chega de afundar o amado xadrez do Estado do Rio de Janeiro.

domingo, 3 de maio de 2009

219- Resultados do FENAC, questionamento do PROFESSOR Alfredo Santos

Abaixo segue e-mail enviado pelo meu amigo e colunista deste blog, professor Alfredo Santos. Alfredo tem um cabedal respeitável no ensino de xadrez para crianças no amado xadrez do Estado do RJ. Ele ficou perplexo com os resultados do FENAC e me indagou sobre as causas. Eu poderia citar como principal causa (sem dúvida) a desídia da entidade oficial do xadrez do Estado em relação às atividades enxadrísticas como um todo mas eu particularmente tenho, infelizmente, uma opinião, calcada em conversas e observações de conversas de muitos professores do Rio: Os professores, instrutores e treinadores do Rio, em geral, são muito fracos! Banalizou-se um pouco a figura do professor de xadrez. Hoje qualquer um diz ser professor de xadrez.... As metodologias e técnicas de ensino são ineficazes, criando lacunas crônicas no treinamento para o xadrez competitivo. Os padrões de ensino em geral não estimulam a criatividade e visão de tabuleiro , a priori necessárias para um desenvolvimento técnico posterior no xadrez de competição.
Tenho a audácia de fazer a afirmação supra porque me preparo em breve para treinar crianças para o xadrez competitivo. E meus métodos não seguirão nada o padrão comum que vejo por aí.
Aliás, quando teremos um seminário para discutir estas e outras questões?
Professores, a tribuna Maiakowsky é livre!

===============================================================================================================

Caro Maia

Você sabe que eu estou afastado do xadrez embora procure me informar dos eventos enxadrísticos. E devo lhe dizer que estou perplexo com os resultados desse campeonato brasileiro.

Perplexo porque nunca imaginei que o nosso xadrez carioca tivesse decaido tanto. Eu não sei se isso se deve à queda na qualidade do ensino ou se a nossa garotada ficou menos inteligente ou motivada.

Sejam lá quais forem as razões, é lamentável.

Você, que está mais enfronhado nessas questões do que eu e tem um blog para debatê-las amplamente, tem explicação para isso?

Abraços.

Alfredo

Campeonatos Brasileiros 2009

Sub 08, 10, 12, 14

(absoluto e feminino)

Quadro de Medalhas

Fenac 2009 Sub 8

1 Álvaro Cristiano Miguelin Petrolina (PE)

2 Felipe Alves da Silva Carapicuíba (SP)

3 Yan Henrique Cordeiro Lages (SC)

Fenac 2009 Sub 8 Fem

1 Andréia Méritho Carvalho Carapicuíba (SP)

2 Marjorie Pinto da Silva Garcia Corumbá (MS)

3 Fernanda Ferreira Prazeres Paranavaí (PR)

Fenac 2009 Sub 10

1 Jesse Emanoel Lorensetti Toledo (PR)

2 Paulo Vicente Berti Neto Três Lagoas (MS)

3 Tiago Lopes Oliveira Barueri (SP)

Fenac 2009 Sub 10 Fem

1 Katherine Lemos Vescovi Barueri (SP)

2 Isabelle Tamarozi Mogi das Cruzes (SP)

3 Marina Martins Aguiar Nova Resende (MG)

Fenac 2009 Sub 12

1 MFArthur Gontijo Chiari Belo Horizonte (MG)

2 Matheus Mazim de Sousa São Paulo (SP)

3 Vitor Roberto Castro Carneiro Boa Esperança do Sul (SP)

Fenac 2009 Sub 12 Fem

1 Angélica Tidori Takigushi São Paulo (SP)

2 Ana Carolina Teodoro Borsato Catanduva (SP)

3 Alaize Dall’orsoletta Lacerdópolis (SC)

Fenac 2009 Sub 14

1 Luis Paulo Supi Catanduva (SP)

2 Mateus Nakajo de Mendonça Cubatão (SP)

3 Leonardo Schmaedecke Tratz Curitiba (PR)

Fenac 2009 Sub 14 Fem

1 Artemis Pâmela Guimarães Cruz Santos (SP)

2 Fernanda dos Santos Rodrigues Belo Horizonte (MG)

3 Carolina Contrera Sakada Paranavaí (PR)

Por Estados:

1º São Paulo 5 ouros, 5 pratas e 2 bronzes

2º Minas Gerais 1 ouro, 1 prata e 1 bronze

3º Paraná 1 ouro e 3 bronzes

4º Pernambuco 1 ouro

5º Mato Grosso do Sul 2 pratas

6º Santa Catarina 2 bronzes

218- Não deixam o cara abandonar!!


Algo inusitado aconteceu no Classe A da Federação neste fim de semana. O atleta Marcelo Santos (ver foto acima), após perder pênalti, quis abandonar a partida e conceder o ponto inteiro ao adversário mas foi impedido pela arbitragem, mesmo bradando em plenos pulmões: "Cara, eu quero abandonar, pronto abandonei, assinei a planilha, eu quero perder, cara, eu me odeio!!"

Boa semana a todos!

MENGÔOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!!!!!!

sábado, 2 de maio de 2009

217- Jogando para a galera

Nos tempos do falecido Caixa d'Água, a Federação do Rio vivia na pindaíba. Esta semana, a entidade exaltou em sua assembléia os resultados positivos de seu balanço e o publicou, quinta-feira, no Diário Mercantil, do Rio, com tiragem de apenas 18 mil exemplares. No entanto, há um dado contraditório: quase R$ 8 milhões a receber dos clubes, referentes a taxas, participações e borderôs.
Instituições, como o Flamengo, vivem reclamando das "forças ocultas" na Ferj. Mas, na hora de votarem, aprovam até o que é contra eles. O Conselho Arbitral de clubes, por exemplo, disse amém ao aumento de 5% para 10% na taxa de participação da Ferj nos contratos de publicidade estática e de TV. E olha que esse novo percentual não está previsto em contrato!
Está explicado porque tanta gente reclama do Rubinho, mas, na hora H, jamais vota contra.
Prefere jogar pra galera.
=====================================================================================
Texto extraído do jornal O Globo, de 02/05/09, página 31, coluna Panorama Esportivo.