quarta-feira, 6 de agosto de 2014

1429- A VOLTA DO XEQUE.NET

O MF Dirceu Viana reativou o Xeque.Net (agora no Facebook), um espaço de crônicas inteligentes e alta qualidade na informação. Link AQUI.
Segue a primeira crônica.

De volta! O primeiro post vai ser sobre Botvinnik, com quem ando conversando antes de dormir. Mas o pano de fundo é o poder, ou melhor, a política, que também ocupa a vida de muita gente no xadrez. Onde há poder, há política. Já o que se faz dela é outra história. 

Estou falando do livro “Mikhail Botvinnik, a vida e as partidas de um campeão do mundo” (em inglês), editora McFarland, 274 páginas na capa dura. Trata-se de uma releitura da carreira do grande campeão escrita pelo GM americano Andrew Soltis, ex-repórter em Nova York. As partidas selecionadas são até dispensáveis, pois há literatura mais qualificada, mas o olhar contextualizado e os muitos detalhes curiosos da carreira do "pai do xadrez soviético" são tempero novo em comida requentada.

Uma passagem que me chamou a atenção foi o boicote que o então campeão do mundo, o primeiro na história de seu país, sofreu em 1952. Por ter acumulado resultados ruins desde o match com Bronstein, em 1951, Botvinnik foi literalmente excluído das Olimpíadas de Helsinque. Além do time principal - Kotov, Keres, Geller, Bronstein e Smyslov - forças ocultas (sempre elas!) do Kremlin trabalharam pela exclusão do campeão.

Moral? Quando a política domina a meritocracia, as distorções aparecem. Estamos cheios de exemplos por aí. O problema é que há poucos Botvinniks nas redondezas para dar a volta por cima. O do livro, sabemos o que conseguiu depois. Já os da atualidade, precisamos encontrá-los urgentemente!

Foto: E APRONTARAM COM BOTVINNIK...

De volta! O primeiro post vai ser sobre Botvinnik, com quem ando conversando antes de dormir. Mas o pano de fundo é o poder, ou melhor, a política, que também ocupa a vida de muita gente no xadrez. Onde há poder, há política. Já o que se faz dela é outra história. 

Estou falando do livro “Mikhail Botvinnik, a vida e as partidas de um campeão do mundo” (em inglês), editora McFarland, 274 páginas na capa dura. Trata-se de uma releitura da carreira do grande campeão escrita pelo GM americano Andrew Soltis, ex-repórter em Nova York. As partidas selecionadas são até dispensáveis, pois há literatura mais qualificada, mas o olhar contextualizado e os muitos detalhes curiosos da carreira do "pai do xadrez soviético" são tempero novo em comida requentada. 

Uma passagem que me chamou a atenção foi o boicote que o então campeão do mundo, o primeiro na história de seu país, sofreu em 1952. Por ter acumulado resultados ruins desde o match com Bronstein, em 1951, Botvinnik foi literalmente excluído das Olimpíadas de Helsinque. Além do time principal - Kotov, Keres, Geller, Bronstein e  Smyslov -  forças ocultas (sempre elas!) do Kremlin trabalharam pela exclusão do campeão.

Moral? Quando a política domina a meritocracia, as distorções aparecem. Estamos cheios de exemplos por aí. O problema é que há poucos Botvinniks nas redondezas para dar a volta por cima. O do livro, sabemos o que conseguiu depois. Já os da atualidade, precisamos encontrá-los urgentemente!

sexta-feira, 11 de julho de 2014

1428- Recordar é Viver- o ano de 2008-parte II- Os Fantasmas assombravam!

quarta-feira, 4 de junho de 2008

33- TEMPOS SOMBRIOS.........

"Começou" dia 31/05, segundo o site da FEXERJ, o Torneio FIDE Djalma Caiafa, no PSXC. Coloquei entre aspas porque já no dia 30 soube que houve jogador que já disputara 4 partidas do certame.
O evento tem apoio oficial da FEXERJ.
Legal, é bom que haja uma boa quantidades de torneios rating FIDE aqui no Rio.
Mas, nesta época de ciclones e tremores de terra no Brasil, preocupa-me a possibilidade da volta de fantasmas com rating FIDE alto, jogadores "fortíssimos" que nós, praticantes habituais do amado xadrez do Rio, nunca vimos, nem em sonhos. Estes fantasminhas, criaturas de um criador nada camarada, fizeram parte daquilo que considero as páginas mais tristes do AMADO XADREZ DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.
Postei um comentário de Kant neste blog. Os indivíduos venais afetam o coletivo. Ninguém se mobiliza (só os venais com seus interesses mesquinhos) mas depois vem a queixa geral.
Haverá choro e ranger de dentes. Tempos sombrios se reaproximam.

stelling disse...
Maia, a participação de competidores no processo diretivo de federações e confederações é um problema endêmico no Brasil.
De um lado a estrutura é tal que permite a criação de capitanias hereditárias na gestão do esporte e por outro nós que somos jogadores nos comportamos quase sempre como peças sem desejo neste jogo de xadrez.
Um grande abraço,
Stelling
Xadrez Opinião disse...
Isso quando, por cansaço, se esquecem o ardor juvenil que nos impulsionava a querer mudar o mundo, e, nos pegamos, sem o saber, entregues à pasmaceira e ao ceticismo, portadores da maior verdade: eu disse que não iria dar em nada!!

Blanco
Darcy Gustavo disse...
Em alguns emails de meses atras alertei para isto em uma troca de emails com alguns dos protagonistas : FEXERJ (apoio oficial) e o organizador do evento

1427- Recordar é Viver- o ano de 2008- sobre o custeio da Federação e um trecho de Kant

Gosto de reler as postagens antigas deste blog. Reflito sobre elas e algumas me fazem rir. A vida é muito interessante!
Reproduzirei uma postagem de 23 de maio de 2008 sobre a questão de anuidades e uma de 29 de maio de 2008 sobre um aforismo de Kant que ainda é bem direcionado no nosso momento!
Daqui pra frente farei estas retrospectivas, colocando sempre também os comentários que fizeram.

sexta-feira, 23 de maio de 2008


27- Anuidade dos clubes ou individual?

O blog deu uma congelada, mas voltará bombando! em breve postarei aqui uma "Imortal" do GM brazuca Rafael "Pigzilla" Leitão, que é um ótimo exercício de cálculo. E mais alguns finais artísticos para deleite do amigo Stelling!

Ano passado participei de uma ou duas assembléias da Federação de Xadrez do Estado do RJ. Foi uma experiência interessante, se aprende muito! Pude, na medida do possível, colocar umas idéias de reformulação mais estruturais. Uma delas seria abolir as anuidades dos clubes (todos eles). A contribuição deveria ser individual (como no modelo da CBX) e o valor desta anuidade o objeto de estudo. Não consigo entender o porquê de nem discutirem a questão ( há questões complexas e argumentos pró-anuidade de clubes que devem ser analisados com muito cuidado). Não tenho dúvidas de que o crescimento da receita seria exponencial. Só posso chegar às seguintes conclusões: 1) as anuidades dos clubes acabam virando objetos de barganha política. Este tipo de rubrica é uma gota de água do montante da receita; 2) um aumento substancial de receita oriunda de anuidades individuais implicaria na necessidade maior de aplicação do Princípio da Transparência, além de uma pressão maior por resultados de gestão.
Em breve postarei uma enquete sobre esta polêmica (mas importantíssima questão).
É só a ponta do iceberg. Meu desejo é chegarmos à discussões de gestão por colegiado, etc.
Coloquei como um dos objetivos deste blog a reflexão construtiva das questões que julgo importantes no xadrez do Estado do RJ. Não tenho nenhuma vaidade de estar com a verdade. Refutações veementes e críticas consistentes serão muito bem-vindas. Quero mais é discussão na veia, mas de alto nível.

É isso aí! Bom final de semana a todos!

3 comentários:

silvio henriques disse...
Esses assuntos políticos muito me interessam!
Abaixo o amadorismo(??)! Viva o profissionalismo!! E, conseqüentemente (que pena que o trema vai cair), o investimento, e a transparência, etc, etc, etc!
As questões políticas são, também, XADREZ!
Devemos nos sentir confortáveis e estimulados em discuti-las.
Viva a contribuição individual! (sugiro R$10,00)
Abaixo a anuidade dos clubes!
P.S.: aceito, evidentemente, discutir minha sugestão, que, aliás, é uma aceitação da do Mestre Maia!
Um abraço do Silvio
Anderson Morgado disse...
Colaborando para uma proposta estrutural diferente, sou favorável ao critério de direção colegiada e paritária. A paritariedade estimula a democracia e reconhece a existência de mais de um ponto de vista. Desta forma as chapas completas, concorrentes à direção da FEXERJ, ocupariam na direção o equivalente ao percentual de votos obtidos. Para engrossar o caldo deste feijão, proponho que a FEXERJ realize eleições diretas e evidente só poderam votar os atletas que estiverem em dia. Esta posição passiva do jogador hoje precisa mudar. Naõ basta chegar no torneio e jogar. Um jogador de xadrez deve sempre ser sr. dos seus atos e responsável pelas entidades ao qual está ligado. Pelo enxadrismo engajado!
stelling disse...
Grande Maia.
Esta questão é super interessante principalmente porque os interesses são diferentes para as tres partes: jogadores, clubes e Fexerj.
A princípio deve interessar aos jogadores pagar a anuidade diretamente, isto garante o controle sobre o vínculo com a federação e também promove a transparência nas contas da Fexerj.
Os interesses dos clubes estão a meio caminho: alguns podem querer aproveitar-se de possíveis benefícios, e descontos, auferidos pela Fexerj enquanto outros podem optar pela transparência e simplicidade fiscal.
Já o interesse da Fexerj está bem claro pelas suas atitudes em relação a este tema! ;)
Xadrez Opinião disse...
Assim teus detratores não conseguiram te acompanhar nos argumentos devido à indigência intelectual vigente no RJ e à ausência de valores.

Blanco
stelling disse...
Pois é, grande Maia.
Mas é interessante que até os dias de hoje há quem tente converter a dignidade que não tem em dinheiro que não merece!
Um grande abraço,
Stelling

sábado, 5 de julho de 2014

1426- Para o solucionista Ricardo Vilela

Duplo Helpmate em 2 (h#2 Duplex)


       Este blog tem atualmente uns cinco leitores fiéis! Então, é minha obrigação bajulá-los (cada um bajula como pode!) !

     Um de meus fiéis leitores é o solucionista mineiro Ricardo Vilela, o mega campeão de Solving Show!

     Sei que o Ricardo tem predileção pela modalidade de problemas chamada Helpmate (mates ajudados). No Helpmate ambos bandos cooperam (cooperam, não bajulam!) para as pretas levarem mate.

     Escolhi o problema acima por ser um Helpmate duplo! As brancas e pretas, verdadeiramente irmanadas e sem nenhum interesse oculto (!) cooperam para que ambas levem mate! Quando eu puxo o saco, faço pra valer!!

     Assim ó: as pretas levando mate, elas jogam primeiro, depois jogam brancas, depois pretas, depois brancas dão mate. Depois, nessa "meinha problemística", as brancas levam mate, jogando primeiro, depois pretas, depois brancas, depois pretas dando mate.

    Divirta-se, Ricardo Vilela!

segunda-feira, 30 de junho de 2014

1425- Uma Questão Ética


Você aceitaria patrocínio de alguém que organiza torneios de xadrez, valendo rating FIDE, com jogadores fantasmas* ?

* aqueles que não são conhecidos por nenhum outro enxadrista do universo, só pelo organizador do torneio!

quarta-feira, 25 de junho de 2014

1423- Momento Maiakowsky de Filosofia



“Mostrar às pessoas que elas são muito mais livres do que pensam, que elas tomam por verdadeiro, por evidentes, certos temas fabricados em um momento particular da história, e que essa pretensa evidência pode ser criticada e destruída.”
(Michel Foucault)




segunda-feira, 23 de junho de 2014

quarta-feira, 18 de junho de 2014

1421- Reflexões durante a Copa

O saudoso Cláudio Coutinho

     Hoje, enquanto assistia Espanha x Chile, tive umas reflexões. Cheguei à conclusão que uma das piores tragédias do futebol brasileiro foi a perda precoce do treinador da seleção de 78, o espetacular Cláudio Coutinho.
     Por que? porque foi o último (e talvez único, Parreira nunca criou nada novo, por exemplo) treinador REALMENTE ESTUDIOSO DAS TÁTICAS NO FUTEBOL.
Coutinho poderia ter formado uma geração de treinadores estrategistas, estudiosos. Não essa sequência de motivadores (exceção de Telê Santana) que tivemos e temos.
   Felipão é um motivador que não cria "família Scollari" mas cria panelinha! e panelinhas geram ineficiência em qualquer área de atuação (tenho ódio de panelinha!). O que são Jô, Fred, Bernard, William, Fernandinho, Hulk?
    Apesar de torcer fervorosamente pelo Brasil, prevejo que tomaremos fumo já nas oitavas. E aí pergunto: quem substituirá Felipão? quem temos, meu Deus?
    Então, já acho razoável a ideia de cogitarmos um treinador estrangeiro para os "reis do futebol" (ao contrário do que penso das seleções africanas que copa após copa, com aqueles treinadores branquelos não evoluem). Não seria nenhuma heresia, nada escandaloso.

sábado, 14 de junho de 2014

1420- Chê faria hoje 86 anos


HOJE, 14 DE JUNHO, CHÊ FARIA 86 ANOS.

QUE A TERNURA DA QUAL FALAVA, E MOSTRAVA, ESTEJA PRESENTE SEMPRE EM NOSSOS MOMENTOS, NAS NOSSAS LUTAS DIÁRIAS.

sexta-feira, 30 de maio de 2014

1417- Torneios FIDE e.......... pagou, jogou!




 A Gloriosa ALEX, tradicional clube só de xadrez do Rio e ícone da resistência ética e política, completa este ano 40 anos de sua fundação. Promove, em comemoração, mais um bem organizado torneio valendo rating FIDE. O evento está muito forte e pode ser acompanhado no Chess Results.



Por falar em torneios FIDE, vi os seguintes dois torneios no calendário oficial de torneios da CBX:



Estaremos realizando no mês de junho dois torneios de Xadrez

1) Batalha Magistral El Tronador (IRT)

Datas 13, 14, 15 e 16 de junho de 2014

Shuring com 8 participantes 6 com rating FIDE e dois sem
rating

Local : Condominio El Tronador - Rio de Janeiro -RJ

Ritmo Ritmo Standard 1h30 + 30

2) Memorial
Max Euwe (IRT)

Datas : 19 20 21 22 de junho

Suíço com 6 ou 7 rodadas

Local: Condominio El Tronador - Rio de Janeiro -RJ

Ritmo Standard 1h30 +30


Como vimos, estes torneios ocorrerão aqui no Rio de Janeiro, em plena Copa do Mundo! Como estou um pouco afastado dos torneios, não conheço a figura da organizadora do evento, Srª Rosângela Malafaia, muito menos da árbitra do certame, Srª Aurea Maria Borges da Silva. Como ambas estão cadastradas e regularizadas na Confederação Brasileira de Xadrez, acredito que os eventos tenham credibilidade.
Bom, que eu saiba, o Condomínio El Tronador fica em Copacabana, bairro onde moro, logo poderei assistir a umas partidinhas!


Ainda falando em torneios, a FEXERJ conseguiu desmoralizar os critérios técnicos do chamado ciclo Estadual C-B-A-Magistral. Banalizou a figura do "convidado", cujo mote principal, sem dúvida, é arrecadar um pouco mais, além de prostituição política rasa. Para se ter uma noção, tem jogadores (nada contra especificamente qualquer um deles) que jogaram o C, não fizeram o índice técnico de 3,5 pts, foram convidados para o B, novamente não fizeram 3,5 pts e agora foram convidados para o A! Essa é apenas uma das aberrações. Para continuar essa avacalhação técnica em prol da mufunfa, é melhor abolir o ciclo para o ano que vem, instituindo logo Opens, com premiação por faixas de rating. Este ano está assim: pagou, jogou!